Polícia baiana ouve casal que protestou contra políticos com vídeo pornô.



No depoimento, segundo a polícia, eles confirmaram que fizeram o vídeo em forma de protesto contra os parlamentares da cidade. Porém, não consideram que o ato poderia constituir um crime. O caso será enviado para a Justiça Especial Criminal (JCRIM). Se condenados, poderão pegar entre seis meses a um ano de reclusão. Procurado nesta terça, Márcio, carpinteiro que ficou conhecido como “negão do vídeo”, não quis dar declarações. O vídeo foi gravado na madrugada de domingo passado, após, segundo Márcio, ele ter ingerido bebida alcóolica e tomar coragem para fazer uma manifestação que chamasse a atenção dos vereadores da cidade. Eles se disse revoltado com a Câmara porque não foi atendido quando procurou a Casa para ajuda-lo a tapar buracos na rua onde mora, no bairro Tancredo Neves. Ele achava que após o vídeo os vereadores poderiam se sensibilizar com o problema. Mas ao invés de atender a reivindicação, a Câmara denunciou o casal à polícia. O legislativo local classificou o vídeo como “atos de expressão imoral e desrespeitoso, caracterizando claramente crime de ato obsceno”. Márcio e outra mulher identificada como “Lorrane” já tinham gravado vídeo de sexo em público dia 28 de fevereiro em frente a um bar no Centro da cidade, mas como não houve relato à polícia sobre esse segundo vídeo, não houve questionamentos. No site de vídeos pornôs XVídeos o carpinteiro, que está desempregado há um ano e meio, possui 73 vídeos publicados, alguns deles de sexo em público, tanto com Eliane quanto com Lorrane, amiga do casal. Os três se revezam nas filmagens amadoras, as quais registravam até o início da noite desta terça 8.510.703 visualizações, 87.870 a mais que esta segunda-feira, quando o CORREIO publicou a história sobre o vídeo de sexo gravado em frente à Câmara.Fonte:Correio.