Polícia recupera carga roubada dos Correios no Lobato.

(Foto: divulgação)


Uma carga que havia sido roubada do Correios foi recuperada por polícias na última terça-feira (21), no bairro do Lobato, no Subúrbio Ferrroviário, em Salvador. Marcus Vinicius Costa de Souza, 26 anos, e Mateus Barbosa Batista, 18, foram presos em flagrante com a maior parte dos objetos subtraídos e encaminhados a 29ª DT. A ação da 14ª Companhia Independente da Polícia Militar (Lobato) e a da 29ª Delegacia Territorial (Plataforma) teve início depois de uma denúncia anônima de que um grupo de suspeitos estava na avenida Alameda A15, compartilhando um carregamento. As guarnições também encontraram um carro Corsa, modelo Classic com os criminosos, utilizado pelo bando para transportar as mercadorias, e uma motocicleta CBX Twister 250. Dois outros suspeitos conseguiram fugir. No ínicio do mês, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios) disse a reportagem do CORREIO que não entrega encomendas nos bairros Fazenda Grande, Lobato, São Caetano, Alto do Cabrito e Boa Vista de São Caetano - que somam mais de 150 mil moradores, segundo o IBGE - temendo furtos e violência aos seus agentes. A decisão é de novembro de 2015. Já a Embasa, para ter acesso aos mesmos pontos, faz um engajamento com lideranças comunitárias. PUBLICIDADE Encomendas O tipo de violência vivida pelo carteiro Júlio* está entre os motivos pelos quais os Correios deixaram de fazer entregas em alguns pontos. Em menos de um mês, o carteiro teve a arma apontada para a cabeça duas vezes em assaltos enquanto estava trabalhando. Depois da primeira ocorrência, no início de outubro, ele ficou afastado por causa do trauma. Logo após retornar ao trabalho, foi novamente roubado e ainda ameaçado quando tentou fugir. Júlio é o perfil de carteiro mais assaltado em Salvador: os motorizados, que levam encomendas, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos no Estado da Bahia (Sincotelba). Por causa da frequência de assaltos, os moradores dos bairros citados precisam ir a uma agência para retirar suas encomendas. Há pelo menos um ano, a comerciante Maria do Socorro, 57 anos, que mora em Fazenda Grande do Retiro, precisa fazer isso. Ela compra pela internet os medicamentos necessários para controlar a pressão arterial e para o tratamento de artrose. Mas, como a encomenda não é entregue pelos Correios, ela tem que ir pessoalmente a uma unidade no Comércio. Mas ela trabalha o dia todo. “Sempre chega um papel informando que os Correios não fazem a entrega. Tem dias que a gente trabalha e não pode. Quando isso acontece, alguém vai por mim, mas, nesse caso, eu preciso fazer uma declaração”, explica Socorro. Em São Caetano, a situação é a mesma. De março para cá, o comerciante Lucas Carlos Silva, 22, teve que ir dez vezes até a unidade dos Correios no Comércio para receber suas encomendas. “Dois meses atrás, eu fiz três pedidos diferentes que chegaram em datas aproximadas, uma diferença de três dias. Tive que ir quase no limite de uma das encomendas, só para poder pegar as três de uma única vez, porque ficaria inviável gastar mais de uma vez com o transporte”, conta.Fonte:Correio 24 horas.