Propaganda

Beauty



Há oito dias, Cleidiane de Sá Neves, 23 anos, está desesperada à procura do marido, o mecânico Erinaldo de Araújo Silva, 33 anos, conhecido como “Barata”. O celular e o carro dele foi encontrado em um mercadinho. A história desse desaparecimento é complexa e o sumiço do rapaz deixa amigos e familiares temendo que o pior aconteça. Ele saiu de casa, na Rua da Gloria, região da Avenida Paulo Souto, em uma localidade conhecida como Alto do Eucalipto, na manhã da terça-feira (16/1). O destino, uma borracharia, no Posto Paraki, local onde ele trabalha. O mecânico chegou a empresa por voltas 6h, e realizou serviço normalmente. “Ele disse amor, vou trabalhar, me deu um beijo, e saiu”, revela Cleidiane de Sá. Ela conta que o viu de longe, pela tarde, por volta das 16h. A esposa só tomou conhecimento do desaparecimento do marido no dia seguinte, ao ser informada por um homem que o mecânico havia deixado o celular carregando e o carro estacionado em um mercadinho próximo a sua casa. A primeira atitude da mulher foi procurar o marido, momento em que ficou mais desesperada, pois Erinaldo não costuma agir desta forma. “Eu fui até o local e a dona do mercadinho disse que ele havia estacionado o carro por volta da 18h, mas não retornou para buscar os pertences e desde então, ele não foi mais visto”, relata a moça, com desânimo e muito preocupada. Cleidiane registrou a ocorrência na 22ª Delegacia Territorial de Simões Filho e fez buscas em vários lugares. Ela explica que o marido é trabalhador e não é envolvido em nada que desabone sua conduta. Companheira de Erinaldo há um ano e meio, Cleidiane ainda conta que chegou a receber uma ligação informando que um corpo foi encontrado na cidade de Alagoinhas e que seria do seu esposo, mas ela não conseguiu confirmar a veracidade da informação. A companheira de Erinaldo ainda tem esperança de encontra-lo com vida, já que familiares foram ao local, e acreditam que se trata de uma informação falsa. “Não consigo acreditar que isso aconteceu. Não quero aceitar, não tem cabimento uma situação dessa, ele não tem inimigo, todos aqui na rua são amigos dele. Ele é uma pessoa boa, não se envolve com nada de errado. Sua vida é do trabalho para casa, raramente ele chegava tarde em casa, o máximo que chegava era 23h30, quando ia tomar uma cerveja, mas nunca sumiu”, lamenta a jovem, muito abalada. “Se fizeram algo com ele, eu não entendo e quero saber porque fizeram. Eu não vou me acalmar enquanto eu não descobrir se fizeram algo com ele e porque fizeram, pois nada fica impune”, desabafa, desolada, a esposa do mecânico. Se você viu ou sabe do paradeiro de Erinaldo, o “Barata”, entre em contato com a redação do Simões Filho Online pelo WhatsApp (71) 98652-3364. *Simões Filho Online

Simões Filho: desesperada, mulher procura marido desaparecido há 8 dias.



Há oito dias, Cleidiane de Sá Neves, 23 anos, está desesperada à procura do marido, o mecânico Erinaldo de Araújo Silva, 33 anos, conhecido como “Barata”. O celular e o carro dele foi encontrado em um mercadinho. A história desse desaparecimento é complexa e o sumiço do rapaz deixa amigos e familiares temendo que o pior aconteça. Ele saiu de casa, na Rua da Gloria, região da Avenida Paulo Souto, em uma localidade conhecida como Alto do Eucalipto, na manhã da terça-feira (16/1). O destino, uma borracharia, no Posto Paraki, local onde ele trabalha. O mecânico chegou a empresa por voltas 6h, e realizou serviço normalmente. “Ele disse amor, vou trabalhar, me deu um beijo, e saiu”, revela Cleidiane de Sá. Ela conta que o viu de longe, pela tarde, por volta das 16h. A esposa só tomou conhecimento do desaparecimento do marido no dia seguinte, ao ser informada por um homem que o mecânico havia deixado o celular carregando e o carro estacionado em um mercadinho próximo a sua casa. A primeira atitude da mulher foi procurar o marido, momento em que ficou mais desesperada, pois Erinaldo não costuma agir desta forma. “Eu fui até o local e a dona do mercadinho disse que ele havia estacionado o carro por volta da 18h, mas não retornou para buscar os pertences e desde então, ele não foi mais visto”, relata a moça, com desânimo e muito preocupada. Cleidiane registrou a ocorrência na 22ª Delegacia Territorial de Simões Filho e fez buscas em vários lugares. Ela explica que o marido é trabalhador e não é envolvido em nada que desabone sua conduta. Companheira de Erinaldo há um ano e meio, Cleidiane ainda conta que chegou a receber uma ligação informando que um corpo foi encontrado na cidade de Alagoinhas e que seria do seu esposo, mas ela não conseguiu confirmar a veracidade da informação. A companheira de Erinaldo ainda tem esperança de encontra-lo com vida, já que familiares foram ao local, e acreditam que se trata de uma informação falsa. “Não consigo acreditar que isso aconteceu. Não quero aceitar, não tem cabimento uma situação dessa, ele não tem inimigo, todos aqui na rua são amigos dele. Ele é uma pessoa boa, não se envolve com nada de errado. Sua vida é do trabalho para casa, raramente ele chegava tarde em casa, o máximo que chegava era 23h30, quando ia tomar uma cerveja, mas nunca sumiu”, lamenta a jovem, muito abalada. “Se fizeram algo com ele, eu não entendo e quero saber porque fizeram. Eu não vou me acalmar enquanto eu não descobrir se fizeram algo com ele e porque fizeram, pois nada fica impune”, desabafa, desolada, a esposa do mecânico. Se você viu ou sabe do paradeiro de Erinaldo, o “Barata”, entre em contato com a redação do Simões Filho Online pelo WhatsApp (71) 98652-3364. *Simões Filho Online