Propaganda

Beauty


Texto: João Leite / Camaçari Agora.

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) desaprovou as contas do vereador José Marcelino (PT) referentes a 2016, 2º ano de sua gestão na presidência do Legislativo de Camaçari. O vereador também foi multado em R$ 3 mil e poderá ser acionado pelo Ministério Público do Estado da Bahia por prática de crime de improbidade administrativa. De acordo com o relatório do conselheiro Paolo Marconi, votado e aprovado por unanimidade na sessão do dia 21 de dezembro, o vereador Marcelino realizou gastos irregulares que ultrapassaram R$ 523 mil com a contratação sem licitação de empresas de consultoria e assessoria jurídica, assessoria contábil, e consultoria em licitações e contratos. Ainda segundo o TCM, a gestão do vereador Marcelino desrespeitou a Lei das Licitações ( 8.666/93) ao aditivar por 3 vezes contratos que ultrapassaram R$ 111 mil. Os recursos, segundo o gestor, foram usados em serviços de xerox, confecção de carimbos, cópias de chaves, troca de fechaduras e divulgação de atos do Poder Legislativo no Diário Oficial e jornal de grande circulação no estado. Marcelino também teve problemas com as contas do 1º ano de gestão (2015). A prestação foi aprovada com ressalvas com aplicação de multa de R$ 8.000,00, que segundo o TCM já está sendo quitada.

TCM diz que Marcelinho usou meio milhão sem licitar e rejeita contas do vereador.


Texto: João Leite / Camaçari Agora.

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) desaprovou as contas do vereador José Marcelino (PT) referentes a 2016, 2º ano de sua gestão na presidência do Legislativo de Camaçari. O vereador também foi multado em R$ 3 mil e poderá ser acionado pelo Ministério Público do Estado da Bahia por prática de crime de improbidade administrativa. De acordo com o relatório do conselheiro Paolo Marconi, votado e aprovado por unanimidade na sessão do dia 21 de dezembro, o vereador Marcelino realizou gastos irregulares que ultrapassaram R$ 523 mil com a contratação sem licitação de empresas de consultoria e assessoria jurídica, assessoria contábil, e consultoria em licitações e contratos. Ainda segundo o TCM, a gestão do vereador Marcelino desrespeitou a Lei das Licitações ( 8.666/93) ao aditivar por 3 vezes contratos que ultrapassaram R$ 111 mil. Os recursos, segundo o gestor, foram usados em serviços de xerox, confecção de carimbos, cópias de chaves, troca de fechaduras e divulgação de atos do Poder Legislativo no Diário Oficial e jornal de grande circulação no estado. Marcelino também teve problemas com as contas do 1º ano de gestão (2015). A prestação foi aprovada com ressalvas com aplicação de multa de R$ 8.000,00, que segundo o TCM já está sendo quitada.