Propaganda

Nome e data de nascimento do bebê foram mantidos em sigilo para preservar sua privacidade


Pela primeira vez nos Estados Unidos, uma mulher que recebeu transplante de útero deu à luz um bebê saudável. Até o momento, apenas a Suécia já havia registrado fato semelhante já que, desde 2014, oito bebês de mães transplantadas nasceram no país. No caso dos EUA, a mulher nasceu sem útero e recebeu o orgão de uma doadora viva no ano passado, no Centro Médico da Universidade Baylor, em Dallas. Já o parto aconteceu no mês de novembro. Segundo a porta-voz do hospital, Julie Smith, a data do nascimento, a cidade-natal e o nome da criança são mantidos em sigilo a pedido da família, para proteger sua privacidade. Vistos como uma esperança para mulheres que nasceram sem o útero ou tiveram que retirá-lo por causa de doenças como o câncer, os transplantes deste tipo devem ser temporários, para possibilitar que a mulher tenha um ou dois filhos. Em seguida, o órgão é removido para que a paciente interrompa os medicamentos imunossupressores, necessários para que o organismo não rejeito o órgão transplantado. No mesmo hospital dos EUA, oito mulheres, incluindo a nova mãe, já realizaram o transplante de útero, em um ensaio clínico que vai incluir 10 pacientes no total. Uma delas está grávida e duas estão tentando conceber. Outros quatro transplantes falharam e foi necessária a remoção do órgão.Fonte:Atarde.

Pela primeira vez nos EUA, mulher que fez transplante de útero dá à luz

Nome e data de nascimento do bebê foram mantidos em sigilo para preservar sua privacidade


Pela primeira vez nos Estados Unidos, uma mulher que recebeu transplante de útero deu à luz um bebê saudável. Até o momento, apenas a Suécia já havia registrado fato semelhante já que, desde 2014, oito bebês de mães transplantadas nasceram no país. No caso dos EUA, a mulher nasceu sem útero e recebeu o orgão de uma doadora viva no ano passado, no Centro Médico da Universidade Baylor, em Dallas. Já o parto aconteceu no mês de novembro. Segundo a porta-voz do hospital, Julie Smith, a data do nascimento, a cidade-natal e o nome da criança são mantidos em sigilo a pedido da família, para proteger sua privacidade. Vistos como uma esperança para mulheres que nasceram sem o útero ou tiveram que retirá-lo por causa de doenças como o câncer, os transplantes deste tipo devem ser temporários, para possibilitar que a mulher tenha um ou dois filhos. Em seguida, o órgão é removido para que a paciente interrompa os medicamentos imunossupressores, necessários para que o organismo não rejeito o órgão transplantado. No mesmo hospital dos EUA, oito mulheres, incluindo a nova mãe, já realizaram o transplante de útero, em um ensaio clínico que vai incluir 10 pacientes no total. Uma delas está grávida e duas estão tentando conceber. Outros quatro transplantes falharam e foi necessária a remoção do órgão.Fonte:Atarde.