Propaganda

Beauty



Na manhã desta terça-feira (18), trabalhadores da rede municipal de Educação de Salvador aprovaram paralisação de 48 horas a partir da próxima quarta-feira (19).

A decisão foi tomada em assembleia, no Ginásio dos Bancários. Após reunião, os profissionais saíram em caminhado até a prefeitura. A mobilização é motivada pela falta de acordo com a prefeitura diante das reivindicações da categoria. 

Na próxima quarta-feira, a categoria realiza um protesto na Smed, na Garibaldi. Na quinta-feira (20), às 8h, está previsto um protesto na Praça Cairu. No mesmo dia, às 15h, no Campo Grande, eles se reúnem com centrais sindicais.

Reivindicações

- Reajuste salarial de 14,5%;
- Progressão por referência por meio da avaliação de desempenho;
- Mudança de nível;
- Licença para o Aprimoramento Profissional;
- Gratificação de Estímulo ao Aprimoramento;
- Licença Prêmio ou Especial;
- Aplicar o mesmo percentual para o auxílio transporte e alimentação;
- Promover o avanço de competência por meio da avaliação de desempenho para os demais servidores que atuam na área de educação;
- Realizar concurso público para preenchimento das vagas de professor, coordenador pedagógico e assistente técnico escolar;
- Estender a reserva da jornada de trabalho para os professores REDA; 
- Efetivar a jornada normal de 40 horas para os servidores que atuam nas Unidades Escolares, uma vez que já vêm cumprindo essa jornada;
- Revisão do Padrão SMED;
- Formação e valorização dos trabalhadores em educação;
- Rever todo o processo de eleição para gestores escolares, ouvindo a APLB-Sindicato;
- Garantir a matrícula da EJA durante todo o ano letivo – Suspensão imediata do processo de fechamento, enturmação e nucleação das turmas de EJA. Redação BNews | Fotos: Reprodução/APLB.

Professores do município de Salvador aprovam paralisação de 48 horas.



Na manhã desta terça-feira (18), trabalhadores da rede municipal de Educação de Salvador aprovaram paralisação de 48 horas a partir da próxima quarta-feira (19).

A decisão foi tomada em assembleia, no Ginásio dos Bancários. Após reunião, os profissionais saíram em caminhado até a prefeitura. A mobilização é motivada pela falta de acordo com a prefeitura diante das reivindicações da categoria. 

Na próxima quarta-feira, a categoria realiza um protesto na Smed, na Garibaldi. Na quinta-feira (20), às 8h, está previsto um protesto na Praça Cairu. No mesmo dia, às 15h, no Campo Grande, eles se reúnem com centrais sindicais.

Reivindicações

- Reajuste salarial de 14,5%;
- Progressão por referência por meio da avaliação de desempenho;
- Mudança de nível;
- Licença para o Aprimoramento Profissional;
- Gratificação de Estímulo ao Aprimoramento;
- Licença Prêmio ou Especial;
- Aplicar o mesmo percentual para o auxílio transporte e alimentação;
- Promover o avanço de competência por meio da avaliação de desempenho para os demais servidores que atuam na área de educação;
- Realizar concurso público para preenchimento das vagas de professor, coordenador pedagógico e assistente técnico escolar;
- Estender a reserva da jornada de trabalho para os professores REDA; 
- Efetivar a jornada normal de 40 horas para os servidores que atuam nas Unidades Escolares, uma vez que já vêm cumprindo essa jornada;
- Revisão do Padrão SMED;
- Formação e valorização dos trabalhadores em educação;
- Rever todo o processo de eleição para gestores escolares, ouvindo a APLB-Sindicato;
- Garantir a matrícula da EJA durante todo o ano letivo – Suspensão imediata do processo de fechamento, enturmação e nucleação das turmas de EJA. Redação BNews | Fotos: Reprodução/APLB.